Cuidado! Você pode não ser tão especial assim…

expectativas-profissionais

Ou melhor, pare de pensar que você é mais especial que os outros…

Pelo menos em início de carreira, não se deixe levar pela síndrome do estrelismo…

A algum tempo tinha me deparado com um artigo que conta uma historinha sobre as expectativas da Ana, uma jovem profissional que representa muito bem uma grande parte da nossa geração Y, e sua história ilustra e discorre sobre um tema que eu queria muito tratar por aqui: gerenciamento de expectativas!

E nada mais proveitoso do que utilizar as incitações desse artigo para termos mais um dia de reflexão!

O artigo referido tem como título: PORQUE OS JOVENS PROFISSIONAIS DA GERAÇÃO Y ESTÃO INFELIZES e pode ser lido em sua íntegra acessando o link destacado!

O original, proveniente de uma pesquisa americana, também pode ser acessado clicando aqui!

Contudo, vale o destaque que as análises e as intenções deste artigo podem se enquadrar apenas dentro da perspectiva de uma parcela de jovens recém-formados, logo, não há nenhuma intenção de generalizar opiniões ou muito menos ser proprietário de toda a verdade…

Com isso, apesar de termos ciência de que existem fatores externos que nos impactam como um todo, sabemos que cada um de nós está inserido em seu próprio contexto e que as nossas individualidades podem influenciar e definir tanto nossos rumos profissionais, quanto as possíveis dificuldades ou facilidades dos mesmos…

Estamos esclarecidos? Legal!

Vá fundo! Leia e tire suas reflexões!

Mas se preferir, antes, prossiga com a nossa leitura aqui.

Gerenciamento de expectativas

Muitos de nós da geração Y (pessoas entre, em média, 22 e 32 anos) desenvolvemos em nossa fase de formação (dos 18 aos 24 anos) uma certeira e grandiosa expectativa de bem sucedimento profissional…

Acreditamos fielmente que encontraremos nosso sentido e caminho profissional de maneira totalmente natural, que este caminho escolhido será extremamente recompensador e que principalmente, quando as coisas não forem bem, será só aguardar até que tudo se encaixe no seu devido tempo e momento…

Logo e apesar de ser de senso comum que dedicação e esforço são quesitos cruciais para qualquer bem sucedimento profissional, é impressionante como muitos ainda têm a certeza de que essa dedicação parte sempre de fazer apenas o que nos dizem o que é certo se fazer…

Ou seja, estudar, estudar e estudar… (se preparar, se preparar, se preparar…)

Nossos pais, grandes influenciadores dessa mentalidade, fizeram de tudo para nos convencer sobre isso e consequentemente imprimiram um esforço imenso para nos proporcionar o privilégio de poder ter as melhores condições de estudos e até para alguns, a oportunidade de se dedicar exclusivamente a isso…

Talvez pelo fato de que muitos deles não tiveram essa possibilidade, acreditam que ao prover isso estão fazendo o melhor, ou simplesmente apenas garantindo o sentimento de que estão cumprindo com suas “obrigações” de pais…

E o que acontece é que de certa forma esse “bem querer” acaba por apenas manter seus filhos ocupados, os deixando simplesmente seguirem a tradicional esteira de graduações…

Com isso, terminar a graduação, realizar um estágio em uma grande empresa, mostrar que ralou para desenvolver e defender a sua monografia para quando e se ela for indicada ao repositório da sua universidade, uow!

É aí que você e eles têm a certeza de que sua vida profissional está assegurada e no caminho certo…

Você, incentivado e motivado com a crença de que está no caminho certo, imediatamente ingressa em uma pós-graduação a fim de adquirir mais uma qualificação ou simplesmente ‘bombar’ o currículo com mais um título…

Sim, realmente parece ser o roteiro de uma carreira de sucesso e é exatamente isso que, para alguns, é dito a se fazer para assegurar e alcançar a famigerada segurança profissional…

Não pense que estou fazendo uma crítica, pelo ao contrário!

Obviamente adquirir conhecimento, se especializar e ter uma educação continuada é essencial para que você tenha algum grau de competitividade perante ao mercado de trabalho…

Porém veja bem, eu disse competitividade e não segurança…

Estudos, diplomas e um currículo recheado de cursos, no final das contas terão pouca valia se você estiver indo para longe do seu sentido profissional, se não exercitar a sua inteligência emocional, não assumir uma visão inovadora e empreendedora perante as oportunidades, não se dispor as vivências de todas as etapas de uma carreira, sejam elas recompensadoras ou não, ou se simplesmente não priorizar o aprendizado através da experiência…

Enfim, acreditar e transferir a responsabilidade da sua realização e bem sucedimento profissional a diplomas e mais diplomas é realmente assumir uma postura negligente com o seu futuro…

A busca do seu propósito e a sua preparação emocional devem andar conjuntamente com a construção das suas qualificações…

Se especializar em algo que realmente faça sentido para você, e mais, que esteja conectado com o que você tem se desenvolvido profissionalmente deve ser definitivamente primordial para que você não desperdice tempo e esforço e acabe andando anos e anos rumo a uma direção que não o faça brilhar os olhos…

Veja bem, o que estou tentando te passar é a ideia de priorizar a descoberta do seu sentido profissional e alinhar as suas expectativas pessoais e profissionais com a construção da sua formação e qualificação…

É se desenvolver e construir a sua trajetória como um todo, para que você literalmente possa encontrar, acelerar e exponenciar a sua carreira para um rumo em que realmente possa te levar para a realizar algo verdadeiramente realizador e recompensador.

Compreende?

Moral da história

Não entregue o sucesso da sua carreira nas mãos de nenhum diploma, pessoa, oportunidade ou qualquer outra coisa que possa te levar a uma zona de conforto ou a uma transferência de responsabilidades…

O seu sucesso, realização e crescimento profissional é de única e exclusiva responsabilidade sua!

Assuma essa mentalidade e conduza a sua vida rumo ao que te realiza!

Objetive conquistas grandiosas, mapeie o seu destino e inicie de maneira enxuta, descobrindo, construindo e percorrendo etapa por etapa, testando e avaliando cada passo dado.

E mais, nunca abandone seus objetivos maiores por uma possível recompensa imediata (Ex: um salário maior fora do seu sentido profissional ou área de atuação desejada), porém, se optar por isso, sempre esteja 100% consciente de suas escolhas e de até onde estas podem te levar!

Fechado?

Por hoje é isso!

Um grande abraço!

Vamos além? Inscreva-se e receba conteúdos exclusivos sobre como utilizar o Marketing de conteúdo para atrair e conquistar os seus primeiros clientes!

Insira o seu e-mail abaixo e receba atualizações EXCLUSIVAS sobre Marketing de conteúdo para profissionais liberais em início de de carreira>